WhatsApp Twuitter

Quinta, 03 de maio de 2018, 09h31

Brasil

Pesquisadores brasileiros mostram tratamento que elimina o HIV


Um grupo de pesquisadores brasileiros ligados à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) está muito perto da cura esterilizante do HIV, ou seja, de eliminar completamente o vírus que causa a Aids.

A pesquisa foi apresentada nesta segunda-feira (30) em São Paulo, em um congresso organizado pela Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Hepatologia.

Há cerca de seis anos, os cientistas liderados pelo médico infectologista Ricardo Sobhie Diaz tentávam entender por que os medicamentos disponíveis no mercado não eliminam completamente o vírus para, a partir desta informação, criar uma droga capaz de curar uma pessoa portadora de HIV.

Abr

“Nós precisávamos determinar quais são as barreiras que impedem a cura com o tratamento convencional, porque quando o paciente está tomando o coquetel, mesmo que a carga viral seja indetectável, o vírus ainda está lá”, explica Ricardo Sobhie Diaz.

Essas barreiras deixaram de ser um mistério nos primeiros anos de pesquisa. A equipe descobriu que o vírus HIV consegue enganar os antirretrovirais.

Os remédios destroem os vírus que estão se multiplicando, então, para se esconder, o HIV fica quieto, sem se multiplicar e aparecer. Além disso, ele se esconde em células onde os antirretrovirais não conseguem atuar, como cérebro, intestino, ovários e testículos.

“Quando o paciente para de tomar o coquetel e o medicamento não entra mais no organismo, o vírus volta a aparecer e a se multiplicar rapidamente”, diz o médico.

A um passo da cura

Para vencer esses obstáculos, a pesquisa da Unifesp passou a ser a primeira no mundo a fazer testes em humanos.

O primeiro passo foi formar um grupo de 30 voluntários com carga viral indetectável, que já faziam tratamento com três tipos de antirretrovirais. Eles foram divididos em seis subgrupos e cada um recebeu um tipo diferente de combinação de medicamentos.

"Os voluntários que apresentaram uma redução significativa no número de células contaminadas com o HIV foram os que tomaram, além dos três que já tomavam, mais dois antirretrovirais: o dolotegravir, o mais forte que existe no momento, e o maraviroc, uma substância capaz de reverter a latência, ou seja, de forçar o vírus que está escondido a aparecer", afirma Diaz.

Combinado a isso, os pacientes foram submetidos a duas descobertas da equipe.

A primeira é a nicotinamida, uma vitamina que os cientistas perceberam também ser capaz de reverter a capacidade do HIV se esconder nas células.

A segunda é a auranofina, conhecida como sal de ouro. Os pesquisadores descobriram que ela é capaz de encontrar a célula infectada com o HIV e levar esta célula ao suicídio.

“Com a combinação dos cinco antirretrovirais, da nicotinamida e da auranofina nós conseguimos uma redução sem precedentes no número de células infectadas nesses pacientes. Mas ainda não eliminamos completamente a carga viral. Ainda restaram algumas células infectadas. Para alcançar a cura total, desenvolvemos o que chamamos de vacina de células dendríticas”, explica.

Essa vacina é feita com o vírus e as células do próprio paciente. Ela consegue ensinar o organismo a encontrar as células infectadas e destruir cada uma delas - e desta forma, eliminar completamente o vírus HIV do organismo.

O resultado final deve sair em dois meses e vai ser apresentado no Congresso Mundial de Aids que acontece no mês de julho, na Holanda.

O infectologista que chefia a equipe se mostra confiante e acredita estar muito perto da cura. “A gente aproximou esses pacientes da cura e agora precisamos saber exatamente o que acontece com essas pessoas quando retirarmos os remédios”.

 



// matérias relacionadas

Sábado, 26 de maio de 2018

11:52 - Diretor de hospital faz alerta sobre situação dos filantrópicos a Carlos Fávaro

Domingo, 20 de maio de 2018

08:30 - Governador vai exigir que hospitais comprovem prestação de serviços

Sexta, 18 de maio de 2018

17:30 - Ministério descredencia 5% dos estabelecimentos ligados ao Farmácia Popular

Quinta, 17 de maio de 2018

14:47 - Brasil participa de banco de dados mundial sobre hipertensão

Quarta, 16 de maio de 2018

17:11 - AMM vai acionar STF para cobrar repasses atrasados na Saúde

Terça, 15 de maio de 2018

12:01 - Botelho prioriza fundo de estabilização que destina recursos à saúde

Segunda, 14 de maio de 2018

16:15 - Outono aumenta casos de conjuntivite alérgica; saiba como se proteger

Quinta, 10 de maio de 2018

08:47 - Remédios e planos de saúde puxam inflação de abril, diz IBGE

Terça, 08 de maio de 2018

14:31 - Idec pede à Justiça suspensão de reajuste de planos de saúde

12:55 - Garcia critica Emanuel por não comprar equipamentos do novo Pronto-Socorro


// leia também

Domingo, 27 de maio de 2018

11:45 - Avicultores doam galinhas e ovos em Vitória em protesto por falta de ração

08:49 - Nova manifestação quer redução de gás de cozinha e combustíveis

08:45 - Pontos de bloqueio diminuem, mas paralisação de caminheiros continua

Sábado, 26 de maio de 2018

18:00 - Prêmio principal da Mega-Sena pode pagar hoje R$ 10 milhões

11:19 - Postos de combustíveis têm estoque zerado no Rio de Janeiro

11:10 - Aeroporto de Brasília ainda não recebeu combustível e 40 voos foram cancelados

10:48 - Rodovias ainda têm 387 pontos com bloqueios; 132 locais foram liberados

10:19 - Mandante do assassinato de Dorothy Stang deixa prisão no Pará

09:41 - Paralisação dos caminhoneiros segue pelo 6º dia consecutivo

Sexta, 25 de maio de 2018

18:30 - Após pronunciamento de Temer, Abcam pede que caminhoneiros retirem interdições