WhatsApp Twuitter

Quinta, 28 de junho de 2018, 16h55

ECONOMIA

Apenas 10 capitais estão entre as cidades mais desenvolvidas do país


Pouco mais de um terço das capitais brasileiras figuram na lista dos 500 municípios mais desenvolvidos do país, segundo estatísticas de saúde, educação, emprego e renda. A informação consta no Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) 2018, divulgado hoje (28) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. O cálculo é feito com base em dados de 2016, a partir de indicadores sociais em 5.471 municípios, onde vivem 99,5% da população brasileira.

Chico Ferreira

Para compor o índice, que voltou a subir após três anos de queda, são apurados dados oficiais sobre saúde e educação básicas, como número de matrículas escolares e mortalidade infantil, além das taxas de emprego e renda média dos trabalhadores. Os dados completos podem ser conferidos na página da Firjan na internet.

Mais desenvolvidas

As 10 capitais mais bem posicionadas no ranking estão distribuídas entre as cinco regiões do país. A liderança foi mantida por Florianópolis, que registrou alto índice de desenvolvimento, com 0,8584 ponto, ocupando o 47º lugar geral. Em seguida, aparece Curitiba (0,8378), que ultrapassou São Paulo (0,8352) na segunda colocação, em relação ao levantamento anterior, com base em dados de 2015. No quadro geral, as capitais paulista e do Paraná ocupam, respectivamente, a 137ª e 74ª posições, respectivamente.

Na sequência, aparecem Teresina e Cuiabá. Entre as capitais, foram as que mais subiram posições na comparação com o levantamento anterior. A capital do Piauí, única do Nordeste entre as 10 mais desenvolvidas, pulou de 12ª para a 4ª colocação. A capital mato-grossense foi de 9ª para a 5ª posição.

‘Muitas capitais por serem centro industriais, perderam muitos postos de trabalho e baixaram o desempenho na vertente emprego e renda. Já outras cidades um pouco menores, como Teresina e Cuiabá, conseguiram bons rendimentos nesse indicador‘, aponta o economista Jonathas Goulart, da Divisão de Estudos Econômicos da Firjan.

As outras cinco capitais mais bem colocadas no levantamento são: Vitória, Belo Horizonte, Goiânia, Campo Grande e Palmas, a única representante da região Norte na lista das mais bem posicionadas.

Brasília ficou fora da lista das 10 capitais mais desenvolvidas ao cair três posições - do 10º lugar em 2015 (0,8001) para o 13º (0,7799) em 2016.

Menos desenvolvidas

Na parte de baixo da lista de desenvolvimento das capitais aparecem Macapá (0,6446), seguida de Belém e Maceió, empatadas com 0,6918, índice considerado regular. Pontuação semelhante obtiveram Manaus, Porto Velho e Aracaju, todas também com desempenho regular. Apesar disso, nenhuma capital de estado apresenta desenvolvimento considerado baixo, o que as deixa acima de pelo menos 2 mil municípios com piores resultados.

‘De maneira geral, as capitais têm uma média acima das demais cidades. Isso se deve a melhor resultado na vertente de emprego e renda. Elas têm um mercado de trabalho mais dinâmico, acaba obtendo notas mais altas nesse quesito‘, explica Goulart.

Quando se compara o quadro atual com os dados do período pré-crise, em 2013, a capital que mais perdeu posições no ranking foi o Rio de Janeiro, que saiu da 5ª para a 11ª posição em apenas três anos. Recife também sentiu uma forte queda no mesmo período, passando da 13ª para a 18ª colocação. Em ambos os casos, a queda no índice de emprego e renda foi o fator mais determinante para este recuo.

Saúde e educação

No IFDM Saúde, 19 das 27 capitais apresentaram avanço no último período em relação a 2015. Manaus ficou no extremo inferior do ranking das capitais neste indicador em razão do baixo percentual de grávidas que realizaram sete ou mais consultas pré-natais, apenas 45,7% do total. Na parte superior está Curitiba, capital com o maior percentual de grávidas que realizaram sete ou mais consultas pré-natais (88,8%).

No IFDM Educação, a melhor nota ficou com São Paulo, que atingiu boas notas em todos os indicadores, segundo o levantamento. Apesar disso, a nota do município Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) ainda está 0,8 ponto abaixo da meta determinada pelo Plano Nacional de Educação (PNE) para 2021. Na outra ponta do ranking na área de educação, Maceió apresentou nível de desenvolvimento considerado moderado, com taxa de atendimento na educação infantil de 24,1%, o que representa uma estimativa de mais de 71 mil crianças fora de creches ou pré-escolas. Além disso, a nota da cidade no Ideb foi a menor entre as capitais: 3,7 pontos, muito abaixo da meta de 6. 



// matérias relacionadas

Quarta, 18 de julho de 2018

14:16 - Pagamento da primeira parcela do 13º de aposentados começa em agosto

Sexta, 13 de julho de 2018

17:31 - Brasileiro é o que mais se preocupa com perda de benefícios da aposentadoria

Quarta, 11 de julho de 2018

15:16 - Vendas nos supermercados têm crescimento de 7,65% em maio

Terça, 10 de julho de 2018

17:28 - Juro do crédito cai para pessoa física e empresas em junho

14:25 - Brasil pode sentir os reflexos da crise na Argentina

Terça, 03 de julho de 2018

16:26 - Preços de pacotes bancários chegam a ter diferença de 32%

09:15 - Apenas 10% dos jovens do País têm formação técnica

08:52 - Vendas de carros não reagem e repetem resultado de maio

Segunda, 02 de julho de 2018

09:36 - Mercado financeiro aumenta estimativa de inflação para 4,03%

09:25 - Confiança Empresarial recua em junho depois da greve dos caminhoneiros


// leia também

Quarta, 18 de julho de 2018

14:58 - Entidade alerta para avanço das fake news sobre vacinas

14:49 - Vacina contra gripe atinge 90% do grupo prioritário

12:40 - Suplementos alimentares ganham regulamentação inédita

10:51 - Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro nega habeas corpus a Doutor Bumbum

09:59 - Justiça afasta prefeito idoso por pedir 'favores sexuais' a servidoras

08:50 - Cremerj denuncia cirurgião que fez procedimento estético em casa

Terça, 17 de julho de 2018

19:33 - Anvisa regulamenta pedidos de importação de medicamentos sem registro no Brasil

14:59 - Mortes em ações policiais crescem 59,8% em junho no RJ

13:41 - MP denuncia 3 por sequestro, homicídio e ocultação de cadáver da menina Vitória

12:50 - Prefeitura de SP adia a concessão do Estádio do Pacaembu